[Mitologia] Piratas do Caribe 4: Navegando em Águas Misteriosas

Índice
[Trailer] Piratas do Caribe 4
[Mitologia] Piratas do Caribe 4
Piratas do Caribe (outros textos da série)
Papéis de Parede (Navegando em Águas Profundas)
Papéis de Parede (No Fim do Mundo)

Sob o título “Navegando em Águas Misteriosas”, o capitão Jack Sparrow explora mesmo alguns dos mais sedutores mistérios do folclore ocidental, além de confrontar Barba Negra, corsário do Império Britânico, imortalizado como uma das lendas dos mares.

Barba Negra
Violento, possivelmente psicopata, Barba Negra começou sua carreira no mar como corsário do Império Britânico durante a Guerra da Sucessão Espanhola. Metia medo na tripulação e nos inimigos: atirou no próprio imediato, para mostrar que a desobediência tinha um preço, e amarrava lanternas em sua barba, para fazer parecer que a cabeça estava pegando fogo e, assim, atemorizar inimigos em lutas.
As regras da pirataria estavam sendo discutidas entre outros capitães, no entanto, nenhuma se apliava a ele. Barba Negra foi um capitão que fez as próprias regras. Tendo como território o mar caribenho, ele estabeleceu base em 1718 na Carolina do Norte, onde foi morto em novembro do mesmo ano. Seu navio, o Queen Anne’s Revenge, foi naufragado e encontrado em 1996, a aproximadamente 10 metros de profundidade.

Fonte da Juventude
O homem, aparentemente, sempre quis viver para sempre. Melhor ainda: ser jovem para sempre. A lenda da Fonte da Juventude tem centenas de anos. Uma das primeiras referências à lenda foi feita por Heródoto (c. 484 A.C. – c. 425 A.C.). Acho que dá para ter uma noção de quão antigo é este sonho. A lenda voltou a se tornar popular no século 16, com o explorador espanhol Juan Ponce de León, primeiro governador de Porto Rico. Ele procurava a Fonte na Flórida, de acordo com textos antigos e, desde então, o estado americano foi associado ao mito.

Sereias
Ah, as sereias… Não é necessário grandes detalhes sobre elas. Lindas, corpo de mulher, rabo de peixe e voz deslumbrante, capaz de enlouquecer homens, fazendo com que eles se atirem ao mar ou joguem as embarcações contra rochedos. De fato, as mais antigas femme fatales do imaginário popular. Os gregos já eram seduzidos por seus cantos, ainda que elas fossem retratadas como meio mulheres, meio pássaros, seus dons hipnotizantes são os mesmos da versão mais popular. O mito foi muito forte da Idade Média e na época dos descobrimentos. Os portugueses, inclusive, reportam terem visto sereias na costa brasileira e parecem um tanto quanto decepcionados, afinal elas não eram tão belas quanto a lenda. Pudera, as sereias daquela época eram os nossos peixes-boi! Em Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas, as damas da água levam o termo maneater ao extremo: os marinheiros equivalem ao jantar.

Anúncios

Sobre Fernanda Eggers

Comunicóloga, fotógrafa, jornalista, revisora, apaixonada por cinema, HQs e literatura. (E gatos.)
Esse post foi publicado em cinema, História, Mitologia, Navegando em Águas Misteriosas, Piratas do Caribe. Bookmark o link permanente.

4 respostas para [Mitologia] Piratas do Caribe 4: Navegando em Águas Misteriosas

  1. valtinho disse:

    muito intereçante o artigo

  2. Anonima disse:

    Adoro mitos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s